Dados levantados pela Secretária de Saúde do Paulista apontaram para 931 mortes por afogamento no ano de 2010. Isto é, apenas no estado de São Paulo. Diante de dados tão alarmantes, devemos agir. A fim de evitar que as estatísticas cresçam ainda mais, precisamos discutir como prevenir que demais afogamentos ocorram. Em Novembro de 2018, 4 crianças se afogaram na represa de Guarapiranga (São Paulo) e 3 delas, com idades entre

O afogamento é um evento que normalmente envolve mais de um fator e por isso, existem muitas causas e muitas formas diferentes de prevenção. Saber nadar aparece entre as formas mais conhecidas para a prevenção de afogamentos. Mas será que isso oferece 100% de garantia? Natação atuando na prevenção de afogamentos De acordo com a International Lifesaving Federation (ILS), as aulas de natação podem ajudar, mas é necessário um programa de

Habilidades aquáticas desenvolvidas são fundamentais para o autossalvamento e prevenção de afogamentos. Em fevereiro de 2014, a Associação Brasileira de Canoagem utilizava a Represa de Guarapiranga, em São Paulo como centro de treinamento. Uma atleta de 15 anos, membro da equipe de velocidade saiu desacompanhada para um percurso e sua canoa virou. Sem o colete salva-vidas, a atleta morreu porque não foi capaz de nadar de volta para a canoa.

O número de afogamentos aumenta consideravelmente no verão. Essa é a época do ano onde a procura por passeios a locais como clubes, parque aquáticos, praias, rios e lagos aumenta bastante e consequentemente aumenta o número de casos de afogamento. Segundo a SOBRASA (Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático), 5.700 pessoas morrem afogadas por ano em nosso país. 44% desses afogamentos, ocorrem entre os meses de dezembro e março, durante a